30 de set de 2013

Falando sobre Canhoto da Paraíba

Fala feras!

Hoje quero lhes falar um pouco sobre um grande artista nordestino chamado Canhoto da Paraíba!
 photo Canhoto-Paraiba_zps1d9d676b.jpg

Francisco Soares de Araújo era chamado de Canhoto da Paraíba por tocar o violão do lado esquerdo mas de forma invertida. Ele tocava dessa forma pois quando era criança era obrigado a compartilhar o instrumento com os irmãos, e por conta disso, não podia inverter as cordas, o que o fez tocar em um instrumento afinado para destros. O pai não conseguia ensinar-lhe: “Ih, meu filho, tem jeito não. Pra lhe ensinar tem que botá de cabeça pra baixo ou diante de um espelho”. Teve que aprender tudo sozinho.

Seus choros têm um sotaque nordestino delicioso. Seu estilo de tocar é único.

Canhoto da Paraíba também era conhecido como Sacristão, apelido que ganhou quando criança como assistente do padre de sua cidade.

Veja o que outros artistas diziam sobre o Canhoto:

“Eu não queria participar daquelas rodas (de choro) como músico. Quando vi o Canhoto tocar fiquei tão entusiasmado que me toquei. Era tão sublime, tão tecnicamente perfeito. Acho que o Canhoto me influenciou a tocar, mais do que meu pai e Jacob (do Bandolim).”
Paulinho da Viola

“… O problema aqui nesta gravação do Chico Soares reside apenas em que vocês pra executarem estas músicas gravadas, vocês vão virar canhotos de uma hora para outra. E só assim, porque o homem tem o diabo no corpo. … Nós vivíamos a correr de um lado para outro, a tocar para uns, para outros, e todos queriam conhecer o Sacristão, que aliás era o vedete do grupo. E observe bem que você não vai encontrar qualquer erro da parte dele. Quero afirmar a você, sob palavra, que durante os 15 dias que esse homem permaneceu aqui, em nossa casa em Jacarépaguá, este homem repetiu estas músicas várias vezes, dezenas e dezenas de vezes, em vários lugares, nas condições mais absurdas, sentado confortavelmente ou não, num ambiente agradável ou não … , nas condições mais absurdas. De manhã cedo, às 6h da manhã, ele às vezes me acordava tocando violão. Adormecia tocando violão. Dentro de uma simplicidade tremenda sem errar nem uma nota! Eu nunca vi Sacristão errar uma nota! … o homem tocava mesmo, não era brincadeira. Os outros tinham suas falhas, suas emoções, suas emotividades, mas o Chico Soares, não. Tocava rindo na minha cara, com um sorriso muito ingênuo de quem não estava fazendo nada de mais. Um artista enterrado lá em Recife … é digno de toda nossa admiração, de todo nosso respeito, porque ele encarna nesta figura, uma porção de brasileiros que vivem enterrados por estes rincões afora, verdadeiros valores completamente no ostracismo …”
Jacob do Bandolim

Em 1998 sofreu um AVC que o deixou com o lado esquerdo do corpo paralisado, ficando assim impossibilitado de prosseguir com sua carreira e, em 2008, após enfarto morreu aos 82 anos.

Ouçam uma de suas músicas (a minha preferida):
Pisando em Brasa
Espero que tenham gostado!
Um forte abraço à todos!